15/08/2009

Perversidade: Madrasta Tortura Enteada Queimando o Seu Rosto


Recife - Uma menina de oito anos, de corpo franzino, foi torturada pela madrasta e a filha dela de 15 anos. A adolescente segurou a criança enquanto a sua mãe realizava a sessão de tortura com uma colher quente no rosto da enteada.
A razão de toda essa violência, segundo a investigação policial, é que a menina teria escutado a madrasta falar com um suposto ex-amante por telefone e teria ameaçado contar ao pai. Presa em flagrante ontem, após ter sido denunciada na Gerência de Proteção à Criança e ao Adolescente (GPCA) pelo pai da criança, com quem vivia há três anos, a acusada vai responder por crime de tortura e poderá pegar pena de reclusão de dois a oito anos.
O caso ocorreu na última quinta-feira, no bairro de Vasco da Gama, Zona Norte do Recife. O pai acredita que essa foi a primeira vez que a sua filha sofreu queimaduras. Segundo ele, a madrasta tinha autorização dele para educar as suas duas filhas de oito e dez anos. "Dar umas palmadas, colocar de castigo, isso ela podia fazer. Mas queimar a menina é demais",afirmou.
O pai, que é pedreiro, contou que ao chegar do trabalho para almoçar, na última quinta-feira, percebeu as queimaduras e perguntou o que tinha acontecido. "Minha filha disse que tinha se queimado com óleo assando pastel e eu acreditei", explicou.
Somente à noite quando retornou e encontrou a criança com os lábios mais inchados e a mãe dele dizendo que a menina havia sido queimada pela madrastra, ele começou a desconfiar. "Pela manhã eu chamei minha filha e pedi para ela dizer a verdade. Ela contou tudo e eu resolvi denunciar", revelou o pai. Por causa da violência sofrida pela filha, ele disse que não havia mais condições de manter o relacionamento.
Na casa alugada no Vasco da Gama moravam três filhas da mulher, de um relacionamento anterior, e duas filhas suas, também de outro casamento. "Eu sustentava ela e as filhas dela. Não esperava que fizesse isso com uma filha minha. Ainda bem que não vi. Provavelmente teria perdido a cabeça com ela e a filha dela ", afirmou.
O delegado de proteção da criança e do adolescente, Victor Leite, solicitou a apreensão da adolescente de 15 anos que participou da sessão de tortura. "Ela vai ser encaminhada para a GPCA do menor infrator e o delegado de lá irá ouvi-la", afirmou. Após prestar depoimento, a madrasta foi encaminhada à Colônia Penal Feminina do Recife. De acordo com o delegado, o crime está enquadrado no artigo 1º da Lei Federal nº 9.455/97.
A criança foi atendida por uma psicóloga de plantão da GPCA e encaminhada para fazer exame traumatológico no Instituto de Medicina Legal (IML). Até o início da tarde de ontem, quando aguardava os procedimentos na delegacia, a criança que disse estar sentindo dores ainda não havia sido medicada.
"Depois de tudo é que vou poder levá-la ao Hospital da Restauração no atendimento aos queimados", revelou o pai. Quanta às filhas da sua ex-companheira, ele disse que deverão ficar na casa de uma irmã dela. "Vou trazer outra filha que tenho de 13 anos para que as três irmãs fiquem juntas agora", afirmou.

Fonte:
DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Nenhum comentário:

Postar um comentário